A empresa Áreas de negócio Projetos ABZ Contatos
CETS
Documentação
Links
Parques Com vida
Documentação
Links
Biblioteca Virtual
Documentação
Links
Boas Práticas
Documentação
Links
ABZ > CETS
O que é a Carta Europeia de Turismo Sustentável?

A Carta Europeia de Turismo Sustentável em Áreas Protegidas (CETS) é uma iniciativa da Federação Europeia de Parques Nacionais e Naturais da Europa - EUROPARC, que tem como objectivo geral promover o desenvolvimento de um Turismo Sustentável nas Áreas Protegidas da Europa. A CETS é um método e um compromisso voluntário para aplicar os princípios do Turismo Sustentável, orientando aos gestores das Áreas Protegidas e às empresas para definirem as suas estratégias de forma participada.

Principais objetivos da CETS
• Fomentar o conhecimento e o apoio às Áreas Protegidas e Classificadas, que representam uma parte fundamental do nosso património natural e cultural, que deve ser apreciado e preservado para usufruto das gerações atuais e futuras;
• Qualificar o desenvolvimento e a gestão do turismo sustentável nas Áreas Protegidas e Classificadas tendo em conta a conservação dos valores naturais, a satisfação das aspirações dos empresários, com as expectativas dos visitantes e com as necessidades da população local.
Requisitos para uma candidatura à CETS?

Uma candidatura à CETS pressupõe que a entidade candidata desenvolveu, juntamente com os seus parceiros institucionais, os agentes económicos e sociais locais mais ligados ao setor do turismo, um conjunto de ações que lhe permitiram provar à evidência que a elaboração da sua candidatura foi fortemente participada e que teve um amplo apoio nas opções que realizou ao longo das diferentes fases: Caracterização e Diagnóstico, Objetivos e Estratégia e Plano de Ação.

Tal significa que uma entidade candidata, ao preparar a sua candidatura deve garantir, à partida, os seguintes requisitos:
a. Existir uma entidade proponente da CETS (normalmente a administração responsável pela gestão da área protegida e/ou classificada, mas podendo ser outro tipo de entidade pública ou privada), que coordena todo o processo (a qual deverá tornar-se obrigatoriamente associada da EUROPARC);
b. Constituir uma Equipa Técnica de Projeto – ETP, pluridisciplinar e interinstitucional, que integre as principais sensibilidades/entidades do território nas questões do turismo e atividades conexas, bem como da própria gestão do território e da conservação da natureza, e que seja a base técnica para a elaboração dos documentos que constituem o dossier de candidatura. A ETP é um órgão operacional onde as tarefas são distribuídas e asseguradas pelos seus membros, sendo fundamental a sua coesão e dinâmica. Importa ainda referir que a ETP tem uma continuidade temporal que ultrapassa a fase de candidatura. Com efeito, uma das condições de aprovação da candidatura é a demonstração que o território (entidade candidata e parceiros) faz para garantir a continuidade de uma capacidade técnica de animação do território/Fórum e da implementação, coordenação e monitorização do Plano de Ação nos 5 anos seguintes;
c. Criar um Fórum CETS permanente (de natureza formal ou informal) que congregue todos os agentes locais interessados (públicos e privados) e que valida as opções do território apresentadas pela ETP nas diferentes fases da candidatura e, posteriormente, na sua implementação.

Quanto ao dossier de candidatura à CETS, este é composto pelas seguintes peças escritas:
• Compromisso da entidade candidata com os Princípios da CETS, devidamente assinado;
• Formulário de candidatura conforme guião da EUROPARC (traduzido numa das línguas oficiais: espanhol, inglês, francês ou alemão);
• Caraterização do território e respetivo Diagnóstico (elaboração de uma análise SWOT);
• Estratégia de Desenvolvimento e Objetivos para o Turismo Sustentável no território;
• Plano de Ação a cinco anos para o Turismo Sustentável no território, identificando as ações, os prazos, os custos estimados e os promotores (autarquias, associações de desenvolvimento local, outras administrações, privados, etc.);
• Mapa do território a escala compatível;
• Anexos (folhetos, outras peças identificativas e demais informação tida por relevante).
Partes da CETS

A CETS é composta por três partes (fases sequenciais):

A Parte I, território CETS, em que se reconhece e galardoa um determinado território, enquanto um destino baseado numa área protegida ou classificada, onde através de um Plano de Ação se desenvolve um turismo mais sustentável e de uma forma participada por todos os atores locais e que corresponde à presente candidatura;

A Parte II, parceiros da CETS, em que um território CETS passa a poder reconhecer (segundo metodologia previamente aprovada pelo EUROPARC) os seus próprios empresários turísticos e demais atores locais como seus parceiros na implementação da CETS, em que também eles assumem os princípios da CETS e integram-nos num Plano de Ação das suas empresas e atividades. Esta Parte da CETS já está ativa em 5 países (Espanha, Finlândia, França, Itália e Reino Unido) e conta com cerca de 636 empresários reconhecidos em 39 destinos CETS;

A Parte III, operadores da CETS, em que o EUROPARC, através das suas secções, reconhece (segundo metodologia previamente aprovada pelo EUROPARC) as agências de viagens que assumam os princípios da CETS e integram-nos num Plano de Ação que envolva territórios CETS e parceiros CETS, criando finalmente uma oferta CETS. Esta Parte da CETS já está ativa em França e Espanha e conta com 15 agências reconhecidas. O seu alargamento à restante rede de territórios CETS será essencial para criar a oferta CETS, ou seja, destinos e empresários que desenvolvem um turismo mais sustentável e respeitador dos valores naturais.
Princípios da CETS

1. Envolver os atores locais (relacionados com o turismo) na gestão e desenvolvimento da atividade turística no território CETS;
2. Elaborar e implementar uma estratégia de turismo sustentável e um plano de ação para o território CETS;
3. Proteger e promover o património natural e cultural do território, evitando um desenvolvimento turístico excessivo;
4. Oferecer aos visitantes uma experiência de alta qualidade;
5. Proporcionar informação adequada aos visitantes sobre os valores do território;
6. Promover produtos turísticos genuínos que permitam aos visitantes descobrir, compreender e estabelecer uma relação com o território;
7. Aumentar o conhecimento sobre o território CETS e sobre o tema da sustentabilidade entre os atores locais relacionados com o turismo;
8. Garantir que o desenvolvimento da atividade turística não põe em causa a qualidade de vida da população local;
9. Aumentar os benefícios do turismo para a economia local;
10. Controlar o fluxo de visitantes para reduzir os impactos negativos que o turismo possa causar.
Benefícios da CETS

Para a área Protegida:
• Ser distinguida a nível Europeu como território de excelência em termos de turismo sustentável
• Influenciar e estimular o desenvolvimento sustentável do turismo na área protegida
• Desenvolver um trabalho em parceria com os profissionais do sector turístico que actuam no território da área protegida
• Reforçar a sua acção de sensibilização junto aos visitantes
• Promover um desenvolvimento socioeconómico que respeite o meio ambiente
• Desenvolver produtos turísticos autênticos, de qualidade e respeitadores do meio ambiente
• Possuir um instrumento de planeamento e controlo para acompanhar e avaliar a politica turística desenvolvida no seu território

Para os empresários:
• Serem reconhecidos e distinguidos a nível europeu pela sua localização num território de excelência em termos de turismo sustentável
• Possibilidade de participar activamente e de forma organizada no planeamento e desenvolvimento do turismo sustentável no seu território
• Melhorar a sua comunicação com a área protegida
• Possibilidade de desenvolver novas oportunidades comerciais (novos mercados, oferta específica para a descoberta da natureza, oferta para às épocas baixas)
• Melhorar a organização e a qualidade da oferta turística do território e aumentar a satisfação dos visitantes
• Beneficiar de apoio para organizar a oferta dos seus produtos turísticos
• Adicionar valor acrescentado à oferta turística com produtos novos e genuínos:
- Um território de elevado valor paisagístico, natural e cultural e um trabalho activo para a conservação da natureza
- Um produto e um serviço de qualidade e sustentável
- Um compromisso por parte das empresas, para desenvolver um turismo sustentável, onde os clientes também contribuem para a conservação dos valores e melhoria da qualidade de vida da população local
Newsletter
Subscreva a nossa newsletter
Notícias
CANDIDATURAS AO PRÉMIO INTERN...
A maior ave de rapina da Europ...
Linha de Apoio à Valorizaçã...
Já são 22 os linces ibérico...
ver mais
acesso privado
© 2008 Ponto Natura, ambiente & soluções unip. lda.